Opinião sobre Culturismo - Muito mais que os palcos!

Hoje o que vou falar é mais em jeito de "desabafo", e este é uma espécie de um artigo de opinião.


Há pouco tempo vi um vídeo de uma pessoa do mundo do "fitness" falando sobre o culturismo, o que era, o que implicava, tudo num tom depreciativo e negativo, afirmando que o culturista não deveria ser exemplo. Confesso que fiquei um pouco tocado, pois achei que o vídeo não falava a realidade e limitava e denegria o culturismo.


Desde muito novo aprendi que o Bodybuilding/Culturismo não é um desporto popular, é mais uma subcultura. Durante a minha infância, acompanhei a carreira do meu pai, Carlos Rebolo, no culturismo, e sempre vi que não era bem visto aos olhos da sociedade, e isto deixava-me e deixa-me triste.


Penso que o problema está na maneira que olhamos para o Culturismo. Quando pensamos na palavra o que nos vem à cabeça é, provavelmente, "10 gajos em cima de palco" todos bronzeados mostrando os músculos, substancias ilícitas, bombas, exagero, estou certo não é?


A verdade é que isso que pensamos não é a essência do "bodybuilding". Essa é apenas uma pequena parte, e já vamos ver o quão pequena realmente é!


O Culturismo quando surgiu era muito diferente do que é hoje em dia. No início chamava-se "Cultura Física" e era um movimento de culto e auto-melhoramento do corpo, uma expressão de arte e saúde.


Um culturista trabalhava para construir um físico bonito e equilibrado, melhorando a sua auto-estima, saúde e bem-estar. Nesta altura o culturismo estava muito ligado à saúde. A primeira revista que existiu sobre o desporto chamava-se "Physical Culture Magazine" e tinha conteúdo ligado à saúde: "Can diet Prevent Cancer?" "What to Eat for Vim, Vigor and Vitality" são exemplos de algumas matérias da revista.



Quem lê a sua história apercebe-se que esta ideologia mudou, no passado era um movimento de pessoas que gostava de trabalhar o seu corpo através de treino de força e hipertrofia, sentir-se bem, cuidar da sua alimentação e saúde.


Com o avançar dos anos, esta opinião foi-se perdendo aos poucos com o surgimento das provas e competições, que foram ganhando importância e valor comercial. A década de 60-70 foi o auge do bobybuiding/culturismo. Nesta altura existiram os físicos mais bonitos da historia, o mind-set era criar um físico harmonioso, bonito e saudável.


A partir da década de 80, com a aparição do Sr. Dorian Yates e a explosão de esteróides anabolizantes no mercado, tudo mudou. O Dorian Yates trouxe a palco um novo nível, foi o primeiro a estar em palco com mais de 115kg, em pele e osso, enorme, dando início a era dos "mass monsters".


Entrávamos na era do "quanto maior melhor", a simetria e harmonia tomaram o banco traseiro e o tamanho e condição tomaram o controlo dos critérios. Competição é competição, todos querem ganhar e muitas vezes não olhamos aos meios para atingir os fins, então quando os prémios e receitas aumentam, a ambição aumenta.


Isto levou a que houvessem abusos de substâncias para chegar aos níveis que eram necessários para ganhar, abusos que foram escalando marcando o desporto de forma negativa e que levaram a uma fama mediática fatídica.


Mas é isso o que define o Culturismo? A parte competitiva?


Para mim isso é menos de 1% do que é o Culturismo. Um culturista treina anos e anos para subir a palco 15 mins. No meu caso esperei 5 anos até a minha estreia em palco, um total de 2629743 minutos. Fazendo uma regra 3 simples a parte competitiva do culturismo é cerca de 0,00057%, num total da vida do culturista.


Incrível não é?


E os restantes 99,9999%?


Essa é a parte bonita do culturismo, que não é tão falada, e que na minha opinião deve ser seguida como estilo de vida, como um bom exemplo. Agora vocês estão a perguntar-se: "mas Rebolo eu devo ser como um culturista, seguir o seu estilo de vida?"


Sim claro, definitivamente!!!


O que é o estilo de vida do bodybuilder? O que faz o bodybuilder 99,99999% do seu tempo?


Actividade física regular, cuidado com a sua alimentação, hábitos de vida saudável, cuidado com o seu descanso, vida sem stress. Parecem-me as recomendações de um medico não?


Eu sempre admirei o bodybuilder pela sua capacidade de sacrifício, disciplina, dedicação, esforço, perseverança, capacidade de trabalho, calma, paciência, sempre os vi como exemplos, super atletas.


Um bodybuilder não é nada mais que uma pessoa que gostas de treinar intensamente, cuidar do seu corpo, imagem, cuidar da sua alimentação, ter hábitos de vida saudável. É basicamente isso que fazemos. No entanto, temos a parte de 0,000057% que é um pouco menos indicado para o "comum mortal", por ser levado a nível competitivo, e, infelizmente, é o que toda a gente destaca e vê.


Não vou ser hipócrita e dizer que competir bodybuilding é um exemplo perfeito de saúde. Os níveis de gordura que temos de apresentar em palco não são saudáveis, puxamos mais pelos limites do corpo. Mas podemos observar isso em todos os desportos, cada um com os seus critérios e condições.


Todos os médicos recomendam irmos para a piscina nadar, é um bom hábito, faz bem à saúde, não é? Mas, será que seguir a rotina de treino do Michael Phelps é saudável para alguém que não leva a natação ao nível da competição? Se calhar já não é, concordam?

.

Jogar uma futebolada com os amigos 1 x por semana é saudável, certo? Mas treinar 2 x dia, puxar o corpo ao limite como o Cristiano Ronaldo , quando não jogamos a nível profissional, já não é tão saudável, tem o seu custo, como podemos ver acontecem sempre lesões e danos associados.


Tem tudo a ver com a DOSE, o nível que queres levar as coisas, a parte competitiva de um desporto tem uma vertente menos saudável, por termos de levar o nosso corpo ao limite, se quisermos ser o nº1.


E sejamos sinceros, ninguém compete para ficar em último.


Uma coisa que o vídeo referia era "Não ambicionem, nem se comparem a um culturista", e em parte até concordo com esta afirmação. Se não estão no mundo da competição não se podem comparar, isto porque quem compete dedica-se muito mais, faz mais sacrifícios, não há comparação.


É a mesma coisa que uma pessoa que joga futebol 1 x semana com os amigos querer se comparar e ser como o Ronaldo.


Não devem ambicionar ser um culturista no seu pleno competitivo, a tal parte que corresponde a 0,000057%. Mas podem sim ambicionar e seguir os restante 99,9999% da vida de um culturista, que corresponde à actividade física, cuidado com alimentação, rotina e hábitos de vida saudáveis. Cuidar de si e da sua imagem!!


Se formos analisar a palavra "bodybuilder" no seu sentido literal significa "Construtor de corpo". Então, uma pessoa que gosta de treinar, construir o seu físico para chegar ao seu objectivo (seja ele qual for, ganhar massa muscular, ficar em forma para a praia, entre outros), através de cuidados com a alimentação e hábitos de vida saudáveis é indirectamente um culturista (bodybuilder), apenas não tem o 0,000057% da parte competitiva.


Agora vamos a uma coisa importante, devemos seguir culturistas e o seu estilo de vida, mas temos de saber escolher o culturista que queremos idealizar. Nem todos têm as mesmas ideologias, e podem levar as pessoas por caminhos menos aconselháveis. Como em tudo o que existe, há um lado bom e mau e cabe a cada um de nós fazer uma boa escolha!


É a minha opinião Malta, queria mostrar-vos a minha visão sobre o desporto, pois, por vezes olhamos para as coisas de perspectivas erradas que nos impedem de ver a realidade e o lado bom das coisas.


Os media e redes sociais por vezes induzem-nos em erro, fazemos maus julgamentos e más decisões, o que defendo é que não devemos reduzir um desporto ao seu momento competitivo, temos de ver tudo o que envolve o desporto, analisar bem antes de fazer julgamentos, ou nem os fazer!


Viver e deixar viver malta!!


Fiquem bem!


André Rebolo,

Founder & Lead Coach

92 visualizações

carlos rebolo team

emagrecer / ganhar massa muscular

competição

follow us

  • Branco Facebook Ícone
  • Branca Ícone Instagram
  • Branca ícone do YouTube

Todos os pacotes incluem apoio via e-mail e whatsapp.